quinta-feira, 16 de agosto de 2012

Palavras ao vento: Palavra escrita x Palavra falada


Há uma máxima popular que diz entre uma das três coisas que não se tem volta é a palavra depois de proferida. As palavras têm peso e sempre são jogadas ao vento, atingem quem está perto, quem está longe...
                Mas também há as diferenças entre a palavra escrita e a palavra dita oralmente. A escrita se esquiva da expressão facial, do tom, da forma que se foi dita. A falada está calcada no olhar, no movimento das mãos, pode vir acompanhada de um sorriso ou de uma lágrima, é na palavra falada que podemos dizer o que queremos de verdade e não podemos nos esconder nem fingir, por isso é mais valiosa, autêntica, verdadeira.
                As redes sociais, os programas de mensagens instantâneas tem nos privado dessa mágica comunicação que acontece entre dois olhares que se conversam. As palavras ditas em determinados momentos e de determinadas formas têm significados diferentes e podem ser interpretadas de acordo com o momento de quem está ouvindo de uma maneira ou de outra. Por isso, eu não dispenso o “pessoalmente”. É bom dar um oi e um abraço. Um tchau e um abraço, ou apenas silenciar e ser abraçada.
                Que o avanço da tecnologia não nos permita deixar de viver o “pessoalmente”. Não nos permita “ler” o olhar e a expressão de quem estamos conversando, que não nos deixe esquecer a intensidade do contato, o real é assim, frente a frente! O virtual ainda tem uma tecnologia que nos separa e distancia.
                Mas, a palavra escrita tem seus valores imensuráveis. Eu mesmo me comunico e me expresso muito melhor com teclas ou caneta (sim ainda escrevo a mão). Porque quando estamos elaborando um texto as emoções se afloram e calculamos cada frase com racionalidade que muitas vezes é ausente na expressão oral.
                Enfim, como tudo na vida há os dois lados e como eu tenho dito, o ideal sempre é o caminho do meio, o intermediário, o do bom senso.   

Dia cinza

Adoro dias cinzas, até porque é uma expressão da diversidade da vida, o sol que brilhou ontem hoje está escondindo, amanhã poderá continuar escondido e estarmos vendo a chuva, relâmpagos e temporal mas mais cedo ou mais tarde, o sol volta a brilhar, com certeza!!! É o que a frase clichê diz: "Não há tempestade que dure para sempre".